quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Sou Fruto



Sou fruto de um lar, onde o amor não tinha barreiras, nem limites, não existia (individualidade) que não fosse ultrapassada, sem a menor dor de consciência, até porque, isto não era questionado e por tanto, nem se conhecia esse termo tão ao “pé da letra” como hoje se propaga, por todos os cantos e recantos






Lá o amor transbordava, e nós filhos, éramos verdadeiros donos e senhores do aconchego



Pai e mãe jamais imaginavam e nem se quer em pensamento, diziam; que lugar de filho depois da maior idade, era no seu canto e na sua casa; dizer que um filho estava sobrando, dentro da casa do próprio pai? Isto era completamente inviável e impossível

Quê? Filhos e pais tomarem dinheiro emprestado entre si e, pagar juros? Não, só pode ser brincadeira...



Confesso que me sinto impotente... Não sei lidar com esses novos valores, que hoje está ai, pois para mim, os meus filhos e netos, estão acima de qualquer pessoa, coisas, bens, ou sentimentos

2 comentários: