segunda-feira, 15 de março de 2010

#VIREI GENTE POR CAUSA DE UM BICHO

Martha Medeiros: Virei gente por causa de um bicho Para uma classe específica de leitores, antes de adotar um gato, eu era uma gélida colunista sem alma Serei fanática por algo? Por alguém? Adoro os filmes do Woody Allen, mas compreendo quem não goste, o que me exclui da tribo dos xiitas. Considero que passar a vida sem ter um filho é abrir mão de viver uma experiência intensa, mas quem nunca teve pode ser feliz da mesma forma, ou mais. E quase não aceito que alguém não goste de vinho, mas há quem prefira cerveja, e há os abstêmios, e todos convivem bem, então está tudo em paz. Concluo que não sou fanática por coisa alguma. Nada me decepciona de forma irreversível ou me encanta de forma abobalhada, não mudo de opinião sobre as pessoas por causa de seus gostos ou hábitos, não sou defensora inconteste nem de mim mesma. Posto isso, me declaro estarrecida diante dos absolutamente obcecados por bichos. Escrevi dia desses que havia adotado um gatinho e que estava muito satisfeita com ele, logo eu que nunca tinha pensado em ter gato, nem cachorro, nem jaguatirica, agora tenho um gato, e isso é tudo, tenho um gato, a vida segue. Não, a vida não segue. Diante da minha revelação, recebi alguns e-mails me cumprimentando pela aquisição, ok, e algumas pessoas me deram conselhos de como cuidar bem dele, ok, e alguns outros me mandaram fotos e vídeos de seus próprios bichanos, ok. Gentilezas muito bem-vindas. Mas para uma classe específica de leitores, uma profunda mudança aconteceu. Segundo eles, houve um divisor de águas na minha vida: eu era uma antes do gato, e agora sou esta, depois do gato. Sendo que esta é a que conta. Antes eu não vivi. Antes eu era uma gélida colunista sem alma. Antes eu tinha apenas uma família e uma profissão, ou seja, nada. Agora sim, virei gente. Pareço estar brincando? Estou e não estou. Estou porque tento descrever meu assombro com alguma graça, mas também não estou, porque meu assombro não é fictício, ele é real. Havia muitas pessoas que desconfiavam da minha integridade por ainda não ser dona de um mascote, que não confiavam em mim por eu não ter um animalzinho de estimação, e que agora se declaram aliviadas por descobrir, finalmente, que sou um ser humano. Você, que não tem gato, nem hamster, nem iguana, nem passarinho, nem peixe, nem tartaruga, você, meu caro, está morto e não sabe. Se Fernandinho Beira Mar espalhar que adotou três cachorros órfãos e dois gatos, sendo um siamês cego e um persa com três patas, haverá piquete em frente à penitenciária exigindo sua libertação. Se o Arruda pedir permissão para que seu porquinho-da-índia vá visitá-lo, será reeleito. Se Mahmoud Ahmadinejad discursar a favor das chinchilas, é capaz de conseguir convencer a humanidade de que não houve o Holocausto. Descobri que quem gosta de bicho merece abrandamento de pena, não importa a folha corrida de seus crimes, e quem adota um, ou vários, está imunizado daqui até a eternidade. Já quem gosta apenas de gente terá que continuar se explicando.

5 comentários: